San Pedro e Santiago Atitlan

Diário de Viagem
Abril 2021

Depois da azáfama de ontem na busca de um repouso confortável e limpo, acabamos por encontrar um sítio muito confortável.

O amanhecer deu-se numa banda sonora de um chilrear tropical de pássaros locais que voam por aqui, provocando uma transição suave do sonho profundo para a realidade exótica e para a almofada estéril onde ontem depositamos toda a nossa confiança (e cabeças).

Ao pôr a mão na cortina de algodão de cor mostarda, para a fazer correr, não adivinhávamos o que estava por trás do vidro. O lago à nossa frente, pássaros a voar por cima das nossas cabeças, as montanhas escarpadas verdejantes a ladear e a contornar a água serena e tranquila que apenas se mexe com os ocasionais barcos que transportam as pessoas entre as 12 vilas simpaticamente referidas como os 12 apóstolos.

Algumas mulheres lavam a roupa no lago enquanto outras lavam o próprio corpo, deixam um rasto esbranquiçado do detergente que se mistura com o azul escuro, meio esverdeado, do lago, formando-se uma espécie de neblina marinha que ganha terreno na água. Vemos barcos ali parados à espera das pessoas que aqui vieram, tratar dos seus afazeres, para voltarem às vilas onde moram. 

Queríamos voltar a San Marcos, San Pablo e San Juan, mas a única estrada que as liga está em obras e por isso somos obrigados a mudar de estratégia. “Vamos explorar San Pedro e Santiago e de lá apanhamos um barco para San Juan.” Enquanto o diabo pisca um olho, já tínhamos um plano traçado.

Isto é o que nós mais gostamos… Palmilhar as ruelas e os mercados destas vilas tradicionais e é aqui que absorvemos o choque cultural, onde tiramos mais fotos. A interação com os locais é forçada e tristemente recusada, fruto da pandemia…

As pessoas, os cheiros, as cores e até a degradação do ambiente que nos rodeia acorda-nos para uma realidade que só nestes destinos encontramos. Flores, frutas, vegetais, peixes, carnes, marisco, comida já cozinhada vendida em caixas de plástico, frango à grelhar na chapa na hora, bugigangas, chapéus de palha, malas e sandálias de couro, roupa colorida… tudo se vende debaixo do sol que nos queima a pele, onde o calor se entranha, e por baixo dos nossos pés, corre água de esgoto.

Há ratos mortos a serem devorados por formigas e moscas, há tuk tuks a furar caminho, autocarros de chapa a passar cheios de cor e decorados à vontade do freguês, há casas construídas em tijolo de cimento com telhados em zinco e com o arame que serve de sustentação das paredes espetados para o céu a aguardar o desejo do seu dono de construir mais um piso. 

A única estrada que une San Pedro a Santiago é um vale de crateras que tivemos de percorrer entre 5km/h e parados, até avaliarmos por onde é seguro passar sem abrir um buraco na base do carro. 

Santiago é muito semelhante a San Pedro, mas ainda consegue ser mais agreste. Mais autocarros, menos turistas. Mais ruelas de cimento e lama, menos scams. Mais crianças a brincar, menos rabugice. Mais genuinidade, menos desilusões. Mais intensidade, menos eletricidade. Sim, encontramos esta vila em obras elétricas e a eletricidade só vem às 17h (horário guatemalteco, leia-se 18h30).

Com as baterias a esmorecer, o corpo a fraquejar e os cafés sem café, um cochilinho é lei. Acordados por trovoada e chuva a bater no telhado de zinco, apressamo-nos para encontrarmos um restaurante simpático para matarmos o monstrinho da fome que por esta hora já dá sinais de vida. Encontramos o Taco Mar que nos encheu a alma de tacos, guacamole, nachos, tortillas e burritos, num manjar de reis que nos fez sair a rebolar debaixo de chuva torrencial. 

Acho que o plano de irmos de barco até San Juan vai sair furado… 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp

Descobre mais Diários de Viagem

El Tunco

Ruta de Las Flores

El Paredón

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *