North Korea

Abril 2016

Pyongyang

Antes de ir para a Coreia do Norte, as pessoas frequentemente nos diziam que éramos loucos por ir (e ainda nos chamam loucos por termos estado lá), mas estávamos tão curiosos pela cultura e pelo país, que era uma obrigação para nós. Antes da viagem, recebemos muitos e-mails com uma lista de coisas “a fazer e a não fazer” e regras que tínhamos que cumprir. Estávamos proibidos de levar bíblias, rádios, máquinas com gps, livros e computadores. Disseram-nos para não sairmos do hotel sozinhos, para não atravessarmos a rua e não gozarmos com o regime.

Factos:

1 – No aeroporto (construído há menos de 10 meses), existem 3 terminais no mesmo edifício. Enquanto se caminha pelo corredor , vemos as comuns máquinas de medição de temperatura, mas se olharmos para trás, nenhum está funcionar. Nós e todas as nossas malas foram cuidadosamente inspecionadas e registradas. No lobby, vêem-se muitas pessoas à espera de familiares e amigos, mas… se eles não podem deixar o país, estão à espera de quem? Nas lojas e cafés do aeroporto, vêem-se pessoas que parecem estar a comprar souvenirs e a comer ou a beber. Não é permitido sair do aeroporto, a menos que um guia turístico vá também, nem mesmo para fumar um cigarro. Ao sair do aeroporto, as regras mantém-se.

2 – A primeira coisa que nos mostraram foram os estátuas dos Grande Líderes de 20 metros de altura (Kim il Sung e Kim Jong il) acenando para o povo que tanto confia neles. As regras foram ditadas: não se corta nenhuma parte das estátuas nas fotos, não se tiram fotos de membros oficiais da festa, não se tiram fotos de pessoas a trabalhar ou edifícios antigos e todos nós deveríamos ir em grupos de 10 pessoas, fazer uma vénia perante os Grande Líderes, com nossas camisas ou casacos fechados e mãos ao longo de nossos corpos. Ao lado das estátuas foram construídas algumas construções para nos mostrar quão grande e poderosa é a Coreia.

3 – Ninguém sabe nada sobre os Líderes antes de se tornarem Líderes. O seu passado é desconhecido e permanece assim.

4 – “Gays não existem na Coreia”, foi outra frase dita pela nossa guia tão bem informada.

5 – A primeira linha de rua dos edifícios construídos é pintada, mas depois disso, estão em tijolos e às vezes sem vidros nas janelas. São os proprietários dos apartamentos que devem pintar a sua própria fachada, se assim o desejarem.

6 – As mulheres ocupam posições de poder, mas nenhuma delas quer fazê-lo. A igualdade de género aplica-se, mas as mulheres são proibidas de fumar.

7 – Quando perguntamos à nossa guia se ela queria vir visitar-nos em Portugal, ela gentilmente disse que gostaria muito, mas que a passagem de avião era muito cara e ela não podia pagar, mas quando nos oferecemos para pagar por ela, ela sorriu e foi-se embora.

8 – Na escola, as crianças têm uma intranet para “explorar e estudar”, super controlada pelo estado, mas os computadores são conectados a uma bateria de um carro. Os professores são controlados por câmaras e as aulas têm um quê de forçadas e todos parecem estar no exército. Nos corredores, fotos de soldados norte-americanos a serem mortos de forma violenta foram pintados à mão para mostrar o quão os americanos são ruins e como a Coreia é corajosa e forte.

9 – Eles falam da Coreia do Norte como Coreia, não fazendo a distinção entre os dois países separados. Dizem que a única razão para sua divisão foi a guerra com os EUA e que, para o país se reunir novamente, o sul “apenas” tem que reconhecer o Grande Líder como seu comandante. Disseram que se os americanos invadissem de novo, estão preparados para isso e que nenhum americano sobreviveria para assinar o armistício.

10 – No Paralelo 38, a linha que separa os dois países é um pequeno rodapé, com 20cm por 10 de altura, com pequenos barracões azuis onde eles podem se encontrar e discutir assuntos de paz (ou não). Segundo nos mostram na televisão, imaginamos que os edifícios estão a alguns quilômetros de distância… não, eles estão no máximo a 100 metros de distância e no lado norte, podemos ver grandes binóculos voltados para o sul. E no sul? Nada nem ninguém.

11 – No caminho entre as cidades, podemos ver a parte rural do país, onde as pessoas trabalham nos campos à mão sem qualquer acesso a máquinas e todos os campos se encontram lavrados. Nós tivemos 3 membros do grupo o tempo todo connosco, verificando todas as nossas fotos, por isso, tirar fotos dessas situações foi muito difícil.

12 – Um dos membros do partido disse que Pyongyang tem 3 milhões de habitantes, mas as ruas estão vazias e só vemos uma pessoa aqui e ali.

13 – Nosso hotel tinha cerca de 20 andares e fomos uniformemente distribuídos por todos os andares apenas para mostrar a grandeza do hotel. O quarto ao lado do nosso tinha uma porta fechada e quando abrimos, o quarto não estava apenas vazio, mas completamente nu por dentro, sem acabamentos, móveis, janelas, etc. Os corredores e áreas públicas estavam frios o suficiente para termos de andar com os nossos casacos de neve fechados até cima.

14 – No supermercado, uma dúzia de ovos custa cerca de 7 € e 10 pacotes de 20 cigarros 1 € e ao pequeno almoço comemos sempre 2 ovos cada um.

15 – No Mausoléu, onde os dois Líderes falecidos ​​descansam em paz, tivemos que passar por uma série de medidas de segurança relacionadas com a nossa limpeza e segurança do edifício. Tivemos que colocar as nossas melhores roupas (que nos disseram para levar, por e-mail antecipadamente), andar em linha, tranquilos, sem rir ou sorrir e fotos não foram permitidas no interior. Passeamos por um número interminável de quartos e por corredores (ao estilo de Las Vegas) cheios de fotos dos Líderes a praticar o bem para o seu povo, fronteiras com check-ups, até chegarmos à sala onde eles estavam acomodados dentro de um caixão de vidro. A majestosidade deste lugar é indescritível! Pisos de mármore, pilares de ouro, entre outros pormenores riquíssimos. Aqui vimos grupos de homens e mulheres bem vestidos visitando os Líderes (era um domingo), mas debaixo das suas roupas conseguíamos ver as suas roupas de trabalho normais e a pele queimada pelo sol. Além disso, vimos a mesma mulher noutra atração turística.

16 – O bilhete de metro custa 0,00000001 € e não podemos tirar fotos para o interior dos tuneis e se quiséssemos tirar fotos das pessoas, teríamos que pedir permissão.

17 – Quando saímos de Pyongyang de comboio, em direção a Pequim, e ao atravessarmos o País, vimos de novo os campos bem trabalhados e pessoas a procurar comida. Quando paramos na fronteira para o check-up final para ver se trazíamos algo “ilegal” (de acordo com as leis deles) e o comboio abandonou a “Coreia do Norte” todo o comboio suspirou de alívio. Conseguimos! Estávamos livres!



Coreia do Norte – como visitar

Contactar a Koryo Tours.

Nós fomos num tour organizado (budget tour), não privado, durante 5 dias.

Seguir as instruções da organização, que envia vários pdf’s pré-viagem.

Não ter nenhum comportamento desrespeitoso.

Todo o processo é tratado pela Koryo Tours, incluindo os hotéis, vôos, alimentação, transportes e entradas nas atrações turísticas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp

Discover more Travel Diaries

Abril 2016

Mongolia

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *