El Tunco

Abril 2021

Carrego no botão na porta do carro e o vidro desce. Rodamos o botão do ar condicionado para o zero e pela janela entra o intenso calor abafado e o ensurdecedor som das cigarras. Percorremos os ziguezagues da encosta recortada. As falésias… as baías com a ondulação perfeita e ritmada. 

Na beira da estrada vemos vários balcões improvisados, uns em madeira cortada de forma tosca, outros em zinco. Aqui, os bens consumíveis são substituídos por boias e artigos de praia. Várias formas, cores e modelos para agradar aos mais picuinhas. 

A vegetação é seca e parece sofrer perante tanto calor. As árvores centenárias enraizaram-se aqui séculos antes e agora vêem a animação das pessoas e dançam ao som do típico compasso das músicas latinas. 

Passamos por túneis longos, sem luz, escavados na rocha e ao começarmos a descer a falésia avistamos a enorme placa verde a pedir atenção para a presença de surfistas a atravessar a via. Passamos por Mizata, La Perla, K59, El Zonte para decidir onde pernoitar, não temos nada marcado. Ao chegar a El Sunzal, pelo canto do olho vemos o invulgar sinal amarelo a anunciar a chegada à Surf City. Estes invulgares sinais dizem tudo: chegamos ao sítio certo, é aqui que queremos estar.

Cada casa tem uma cor… Uma cor forte. Paredes marcadas pelas emoções, histórias e que contrastam umas com as outras. Murais grafitados decoram outras paredes e as plantas e palmeiras dominam a área. As ruas estão em obras e os carros são obrigados a fazer um desvio. 

Passam por nós vários surfistas, homens e mulheres, de prancha debaixo do braço, equipados só com os devidos fatos de banho. Descalços fazem o caminho até ao mar que está a 30ºC e que chama por eles como um canto da sereia, com as ondas a quebrar nas rochas e pedras que compõem a praia.

“Onde é que se come bem aqui?”, perguntamos nós ao polícia simpático que patrulha a zona. Ele aponta para a Esquina Los Amigos e sorri, envergonhado. “gracias, amigo!” e ele acena.

Este sítio tem as melhores popusas de El Tunco, viemos a descobrir. E o ingrediente secreto é o tipo de queijo. E enquanto as popusas fritam, os meninos escolhem as pranchas na porta ao lado. Estão com a ansiedade no pico e desconfio que se eu não estivesse aqui, nem tinham almoçado.

Meto o dedo do pé na água da piscina e nem sinto a diferença de temperatura. Maravilha! Deslizo o corpo pela água lentamente, absorvendo este momento tão especial e único. Solto um “aaahhh” e sinto os músculos a relaxar.

Sustenho a respiração e deixo de fazer força nas pernas para manter a cabeça fora de água. Ela entra e o cabelo fica solto, sem gravidade. Deixo-a assim uns segundos. Aprecio a sensação e volto a respirar oxigénio. Pego na bola de plástico que compramos por 2 dólares e uso-a para flutuar. Relaxamento total dos músculos do corpo. “aaahhh” outra vez.

As pessoas passam e cumprimentam sempre enquanto tenho o corpo de molho. Passo as manhãs e as tardes aqui. Eles sorriem perante a criança que cresce em mim dentro de água. 

Cinco dias sem fazer nada passam a correr e o dia de regressarmos a casa, chega mais depressa do que desejamos. Dizemos adeus a El Salvador prometendo voltar. 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp

Discover more Travel Diaries

Abril 2021

Ruta de Las Flores

Abril 2021

El Paredón

Abril 2021

San Pedro and Santiago Atitlan

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *