Dubai

Diário de Viagem
Novembro 2016

Chegados ao Dubai, deparámo-nos com um aeroporto (que já conhecíamos) cheio de homens e mulheres que a sua aparência nos faz duvidar das suas intenções, tudo o que o noticiário e jornais nos incute! Tudo mentira, obviamente!

Quando chegámos à imigração, estava uma fila gigante e começamos logo a trocar mensagens com o Steve e o Tobi, que estavam do lado de fora à nossa espera. Logo de imediato começaram as piadas próprias de gays e impróprias para menores de 18 anos! 

Quando chegámos à casa do Steve, onde ficámos a dormir, tomámos um duche para refrescar ideias e eles encomendaram comida árabe para jantarmos em casa e depois irmos beber um copo a um clube. A comida era excelente, com húmus normal e húmus de beringela, carne e pão pita. O Steve abriu uma garrafa de vinho, uma de champanhe Dom Perrignon de reserva 2004 (imaginem!!!) e um shot para cada um duma bebida destilada japonesa tipo amarelinha. Eu fui a única a beber… Ok… We are ready to party!

Descemos até à rua e entramos logo no primeiro clube. Estilo country, cheio de rashids, com um insuflável no meio com um touro para montar. O Steve inscreve logo o Diogo para ver quanto tempo o vet aguenta em cima do touro!

Ele lá vai, ao som de uma música americana, monta o touro que começa imediatamente a rodopiar. Tenho a dizer que o Di aguentou-se muito bem em cima do touro, revelando habilidades que eu desconhecia.

Hoje foi o dia de conhecer a cidade que nunca dorme e que vibra com cada turista que passa. Primeiro fomos ver o Souk, cheio de tecidos, especiarias, cheiros e pessoas a chamarem-nos para nos vender tudo e mais alguma coisa. Depois de uma viagem de barco para atravessar o canal, “perdemo-nos” nas ruas e vielas. Voltamos para o barco e dirigimo-nos para o Burj Al Arab, o primeiro hotel 7 estrelas do mundo.

Depois de uma viagem super longa (aqui é tudo longe) e de vistas de arranha-céus por todo o lado, chegámos à praia Kite Beach Jumeirah (a única praia pública desta zona, onde se pode ver o Burj). Mal vi o mar, pensei que a água devia estar maravilhosa e disse que queria pôr o pezinho dentro de água. Lá fomos nós! Quando toquei na água…. MARAVILHA!!! No mínimo 32 graus! ADORO!!!! Só me apetecia atirar-me de cabeça! Foi aqui que pensei que morar nesta cidade deve ser brutal!

Depois de uma série de fotos, inclusive as tradicionais fotos a saltar, voltámos para o carro e seguimos caminho até ao Burj. Pensei eu que íamos entrar, tirar fotos… não! Para isso, é preciso ter uma marcação ou no hotel, ou no restaurante (clicar no butão “BURJ AL ARAB” para explorar mais sobre este hotel). Fomos barrados no portão por um segurança e tivemos de tirar fotos de bem longe… 

Voltamos a fazer-nos à estrada para desta vez irmos ver o The Palm (situado na famosa e artificial palmeira desenhada no chão, repleta de hotéis, canais, lojas, shoppings, iates e restaurantes de luxo) e o Atlantis, com a sua porta magnífica a marcar a entrada (famoso pela sua participação em vários filmes, nomeadamente o Sexo e a Cidade, e pelas suas festas, estreias e marcações de estrelas de cinema de todo o mundo).

Aqui, por todo o lado, consigo desejar estar sentada só a apreciar a arquitetura e a tirar ideias para os meus projetos. Tudo é extravagante, fora deste mundo e cada sítio quer ser melhor do que o outro.

Eles são uns queridos e têm-nos pago tudo! Desde os bilhetes de barco, as águas obrigatórias devido ao calor absurdo, os parques de estacionamento… Querem-nos mostrar tudo e mais alguma coisa e querem garantir que a nossa experiência aqui é a melhor possível. Então, levam-nos a um restaurante num dos arranha-céus só para que nós consigamos ver a palmeira de cima e termos uma vista fenomenal para a cidade. Mas chegamos lá e estava fechado.

Mal chegamos, perguntámos se havia alguma coisa que não se devesse fazer ou alguma coisa que fosse obrigatório e eles disseram-nos que dizer palavrões na rua e gestos ofensivos não eram vistos com bons olhos, podendo mesmo levar a uma detenção. Disseram-nos também que em determinados sítios eu devia usar um lenço na cabeça e que não podia andar à frente dos homens do grupo. Eu pedi para me dizerem quando teria de o fazer e eles prometeram que o fariam. Este restaurante era um desses sítios. Então, coloquei o lenço na cabeça e andei sempre atrás deles, como uma boa menina. 

Como o restaurante estava fechado, levaram-nos para o shopping para irmos almoçar ao “The Cheesecake Factory”, onde nos serviram um prato GIGANTE que dava para 2 pessoas à vontade. Neste shopping também é obrigatório andar de véu e atrás do grupo de homens, então lá fui eu muito bem comportada e obediente. Lá não víamos muitas mulheres de lenço na cabeça e eles explicaram que havia uns polícias no shopping vestidos de verde que faziam abordagens às mulheres que não cumpriam as regras e que lhes mostravam um cartão vermelho e que isso envergonhava os homens. Isto realmente não é nada normal, mas esta religião é mesmo assim.

Neste shopping, têm uma pista de gelo, onde todos querem ir com as crianças, para fugir ao calor das ruas. De repente, vejo estes dois caramelos gays a rirem-se como dois perdidos e sem saber o motivo, pergunto o que se passava. Eles entre risadas explicam que eu não tinha de usar o véu nem andar atrás deles, que era só uma partida mas que eu me portei muito bem! MOTHER FUCKERS!

Rimo-nos todos e eu disse que a partir daquele momento ia usar o véu para os envergonhar e que ia fazer cenas para eles ficarem mal vistos! Mas gostei de usar o véu e consegui fotos muito giras. Valeu a partida! Eles são mesmo assim e não se pode acreditar em nada do que eles dizem! Perguntei se a história dos palavrões e dos gestos também era mentira e eles disseram que não, para eu não me pôr a fazer gestos e a mandar as pessoa para aquele sítio senão ainda ia presa!

Saímos do shopping e fomos levar o Steve a casa porque ele tinha de dormir antes do voo dele para Phuket daí a umas horas e fomos com o Tobi conhecer a casa dele e o gatinho fofinho dele, o Jake. Ele encontrou-o na rua e adotou-o e disse que agora o Jake era como uma Housewife que vivia à conta dele. 

A seguir fomos até ao Burj Khalifa, a maior torre do mundo onde tem um shopping com um aquário gigante lá dentro, com tubarões, raias, peixes enormes e onde se pode fazer mergulho enquanto as pessoas cá fora conseguem assistir. Aqui compramos o nosso souvenir (uma moeda falsa dourada) e voltámos para casa do Steve para jantarmos e dormirmos para irmos para a Índia daí a umas horas.

Despedimo-nos do Steve que já estava de saída para Phuket e ficamos a jantar e a dormir sozinhos na casa dele. A casa dele tem uma vista fabulosa para a cidade onde até o mar se vê.

No aeroporto conseguimos ouvir os cânticos árabes, os chamamentos para as rezas e super ansiosos por pôr os pés na Índia! Vamos começar por Delhi!


Dubai – onde dormir e o que fazer

Hotel Dubai

Em casa do Tobi, um amigo que conhecemos na Coreia do Norte.

Dubai – formas de deslocação

No carro do amigo 🙂 

Duba- onde comer

Jantar fora no Dubai é muito mais dispendioso do que em Portugal, facilmente uma refeição num restaurante ultrapassa os 30€/pp

Pontos de interesse no Dubai

  • Pista de gelo no Mall of the Emirates.
  • Aquário no Burj Khalifa.
  • Praias com água a mais de 30º… ADORO!
  • Ouve-se dizer “está abrir aqui ao lado uma cidade nova”, como se estivessem a falar de um restaurante ou uma loja.
  • A comida é cara, mas óptima.
  • Burj Al Arab, só se entra se tivermos uma reserva no hotel ou no restaurante.
  • Souk, porque é sempre incrível perdermo-nos nas ruelas repletas de cheiros, cores, texturas, luzes e comida.
  • No entanto, achamos o Dubai demasiado artificial e preferimos destinos mais genuínos e desconhecidos.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp

Descobre mais Diários de Viagem

Novembro 2016

Andaman

Novembro 2016

Varanasi

Novembro 2016

Calcutá

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *